segunda-feira, 30 de maio de 2016

O Sol e o trio (perigoso)


Mas voltando ao sol e sua sábia e muito inteligente timidez; eu tenho exposto demais os meus sentimentos, sentidos e sensações .. Esse é o trio mais perigoso e desejado, por hora até entendo que se fechar pode não ajudar muito, fora que encontrar a dosagem correta me acarretará tempo e muito paciência.

Hoje caminhando pelas ruas da zona sul, senti a tímida presença do sol – ele estava decididamente querendo se esconder. Ele até apareceu bem cedinho e logo ficou na espreita, olhando, olhando e olhando entre nuvens cinzentas.

Passava carros, ônibus e muitas pessoas e ele só observava em silencio. Eu sempre uso um adjetivo pra esse tipo de carão: “fazer a samambaia” – o mundo pode estar caindo e você não quer demonstrar fraqueza ou qualquer outro tipo de sentimento? Faça a tal cara de samambaia.

Ela funciona! – mas cuidando na dosagem para não passar por louco ou arrogante (isso pode acontecer)


Tô confuso? Tô te confundindo? Imagina a minha cabeça.

Os sentimentos precisam ser dominados e não dosados, saber administra-los para não desperdiçar com quem não vale a pena.

A regra para os sentidos é sempre (eu disse SEMPRE) ter eles apurados, aguçados .. para sempre observar principalmente os passos.

Chegamos as sensações, ah as sensações ... esse é o item mais perigoso (e gostoso também), apelar para o fácil, casual ou que demonstra um interesse rápido ou demorado demais não é bom – FUJA! (complicado encontrar um meio termo, me desculpem)

Faça como o sol que tateia e observa timidamente.

Escrevo para reorganizar os meus pensamentos e logo eu conseguindo faço uma força para reprender a lidar com essa confusão de sentimentos que nascem e morrem aqui dentro – alguns andam como zumbis e com toda a minha força eu tento devolve-los para as suas respectivas sepulturas.

O sol por mais tímido que seja não desistiu de surpreender esplendoroso, hoje ou manhã ele vai reaparecer quente para reinar e deixa claro que ele foi e pra sempre será o mais aguardado/esperado/desejado de todos os dias.

Mas é claro que o sol
Vai voltar amanhã 
Mais uma vez, eu sei 
Escuridão já vi pior 
De endoidecer gente sã 
Espera que o sol já vem

quinta-feira, 26 de maio de 2016

O 'se'? Se perdeu!

Estranhamente a tranquilidade volta
(aqui) Ela é passageira
Não toma acento e fica cada vez mais inquieta
De lá pra cá
Ouço um grito
Dói, morde e o silêncio diante da voz que arrepia e faz tremer.

Se retoma tudo em menos de segundos
A tranquilidade irritante para de tatear
Se sente sóbria
Se sente em casa

O ‘se’ se perdeu

O hoje não faz mais sentido e o amanhã não se comunga

Os sábados à noite  forever be apartno more disputas

A tranquilidade se perdeu, não sinto mais o que não sei sentir (who knows)
A tranquilidade se despe de qualquer...
De um qualquer


Sentimento?
Por hora tranquilo.

(ou não)

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Que tal um mergulho (compassado)?



Como lidar com a vida de novo solteiro? Claro que solteiro mesmo já estou desde a primeira semana de janeiro, mas na prática mesmo eu me libertei faz pouco – refiro-me à liberdade convicta, aquela que nos faz sentir desprendidos de qualquer sentimento (pelo menos os bons foram mortos/degolados/trucidados – goela abaixo).



Me senti como se estivesse em alto mar, solto, praticamente largado no meio do oceano... Entre uma nova oportunidade de mergulho eu era quase forçado a descer cada vez mais fundo. O problema não era mergulhar (eu até gosto), mas ser assim forçado, não rola!
Esses relacionamentos ‘forçados’ já começam intensos e acabam te cegando ao ponto de não te deixar ver que logo ali na frente já existe uma ilha de problemas – diferenças críticas, peso da liberdade perdida, inconstante oscilação de sentimentos.. (falo por experiência própria)

E cada vez que eu tentava deixar claro esse meu modo de pensar e demonstrar que continuar era uma ideia tranquila, porém em um ritmo mais ‘compassado’ - compassado? Nunca pensei que escreveria/pensaria em algo assim.

Eu sentia como que uma mão me forçasse voltar a mergulhar e por reflexo (autodefesa) eu forçava contra, logo coagia e afastava. Uma pena porque o que eu queria mesmo era só voltar à superfície e respirar um pouco.

Respirar! Ah respirar...
Quando tu volta a respirar é indescritível.

Mas ainda estou disposto a fazer algumas aulas de mergulho, desde que me deixem respirar.