quarta-feira, 28 de abril de 2010

Pluralidade plurificada

Minha vida em partes,
Minha vida em singularidade.
Sem Saber como será e se será,
Eu sigo desejando carregar o que é só meu.
E o que é meu?
O que é seu ou nosso?
Tudo segue em partes,
Várias vidas numa só pluralidade.
Não sei, se sei, mas como será?
Como foi e como tem sido, isso importa?
Dois braços e um imenço e preocupado coração.
Não há regras,
Não há como explicar, apenas sentir e eu sinto.
Minha vida, minha regra, minha singularidade que segue "plurificada".

sábado, 24 de abril de 2010

It's Not Time

Inconsciência rima com fraqueza, que por sua vez não tem na haver com "levar em consideração" - não por pena.
Não preciso de motivos para dizer o que sinto ou o que penso, mas nada disso deve se parecer com carência ou estupidez da minha parte, eu apenas precisava dizer o quanto tudo foi e não é mais.

Estupidez, fraqueza que agora rima com franqueza. Se errei?
Digamos que eu já detinha essa resposta, mas é sempre bom sabermos a onde "estamos" pisando.
Longe de mim querer atrapalhar algo, não preciso disso!

"Has never been so hard
When all I want to do is hold you tight
Just take your time
And tell me when you are ready"

Como a letra da música, o tempo que passou e a vida que esta diferente hoje nos mostra que tudo é... Que nada mais é como antes!
Amanhã, depois? Isso já outra história...

Ps. Música citada - Tiago Iorc  It's Not Time

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Intimidade? Intimidade é uma merda...

O que seria ter o sentimento de intimidade para uma pessoa? Seria chegar já abrindo a geladeira ou bater um papo enquanto a sua amiga faz um xixizinho?
Tem pessoas que confundem intimidade com o termo abusar, aproveitar-se... Quando na verdade a relação de intimidade deve ser comparada com outras palavras, tais como: confiança, familiaridade, privança...
Às vezes tenho medo de dar intimidade, como se fosse deixar alguém entrar, abrir as portas dos meus mais secretos armários, vasculhar e descobrir coisas que até eu mesmo desconheço. E não sou só que penso assim, várias pessoas já me disseram que não suportam pessoas invasivas, pessoas que depois de dois minutos de convivência já “pensam” que são amigos de longa data e pior, que são extremamente intimas. E pensar que muitas vezes essas pessoas não tomam essas atitudes por maldade – lembrando que a primeira impressão é a que sempre fica.
Daí emolduramos essa visão hostil, agressiva e pregamos em um lugar para que todos possam ver.
Me pergunto se não sou assim, se as pessoas que estão diariamente do meu lado não se sentem literalmente invadidas com a minha presença. Nos Arianos, sempre estamos nos espalhando, tomando território, queremos ser sempre acariciados, paparicados – sim admito.
Claro que essa tal de intimidade da o direito de você dizer o que te incomoda, perturba.
Por isso vocês podem me cutucar e me darem um chega pra lá (de leve, é claro)!
Ao mesmo que essa relação (denominada nesse texto como algo fatídico) que tem os seus contrapontos, ela também me traz bons motivos para sermos íntimos de algumas pessoas, termos o sentimento de intimidade e poder saber que é algo recíproco é muito importante/gratificante.
Dormir junto, trocar de roupa, conversar na porta do banheiro, beber do mesmo copo, emprestar uma roupa, contar segredos, ouvir coisas nunca antes ditas, dar e receber carinho...
Enfim, ser intimo é ser confiante, ser antes de tudo: é ser amigo, ser alguém que tem acesso livre a vida de pessoas – sem portas fechadas, pelo contrario: sempre braços aberto.
Ah! Vamos retirar a MERDA da intimidade? Respondo: Não!
Intimidade é tudo!

Nota: O porquê dos atores (produção e alguns amigos) desejarem uns aos outros muita "merda" antes de se entrar no palco?  
Para tanto algumas origens: "merdeux", em francês, significa "pessoa insignificante, sujo de merda" (pronuncia-se "merdê" daí para a passagem para "merda" é um “pulinho”).
 
Alguns poderiam estar perguntando, então como se diz merda em francês?  “merde” = merda (pronuncia-se mérd). Um detalhe: na época em que as pessoas íam ao teatro de carruagem em França, tinha sempre um rastro dos cavalos na porta do teatro, sendo assim este era sinônimo de casa cheia. Os atores passaram a  desejar "muita merda" pois significava que havendo muita merda na frente do teatro era  sinal de que teriam bastante público;  muitos dizem também: “quebre a perna”! O “Boa Sorte” (do francês “sort” = sorte) é visto como tabu, pois se desejando “merda” tudo que é de ruim já foi desejado o resto poderá “ser lucro” (mesmo se algo não sair bem na apresentação); enfim se desejando “merda” por conseqüência tudo irá acabar “bem”.

Um pouco mais de informação (não faz mal a ninguém)

ÁRIES (de 21 de março a 19 de abril)
Por  Márcia Mattos.








Sabe por que as pessoas que nasceram entre este período se dizem "arianas"? Porque durante esta época do ano, o Sol está passando pelo signo de Áries no céu. Quando você diz "sou ariano", está dizendo, com outras palavras, que tem o Sol no signo de Áries.


Qualquer conquista exige coragem". Esta é uma das mensagens privilegiadas na consciência dos arianos. Se alguém deseja alcançar uma vitória, precisa tomar a iniciativa, embrenhar-se na aventura e batalhar pelo que deseja, sem delegar esta tarefa a outras pessoas. Qualquer ariano sabe que desejar é um ato de coragem e que a prerrogativa da ação é de quem deseja.
O ariano é consciente do dever de ir à luta, já que o destino não espera. Ele sabe que as ações devem ser dirigidas para objetivos diretos, de maneira corajosa, imediata, sem paralelos ou perpendiculares.

Todo ariano tem clareza para perceber que se algum projeto ou situação for adiada, perde o frescor, a energia inicial e pode ficar aprisionado pela inércia. Se você não planta na época certa, acaba perdendo, como na natureza. Usar o impulso, ganhar a partida no primeiro tempo ou sair na poli-position são os maiores aliados para a inteligência ariana.

As pessoas que nasceram com o Sol em Áries possuem, também, grande clareza sobre assuntos ou situações que envolvam competitividade, tendo consciência de que para vencer neste campo, é necessário usar da velocidade. O melhor competidor é o mais ágil. A vitória é de quem chega primeiro, sai primeiro, pensa primeiro, responde primeiro. Deixou algo para fazer amanhã, alguém já o fez hoje.

O Sol em Áries ilumina força, ímpeto, ousadia e franqueza. O ariano sabe que a franqueza define, delineia e fortalece as pessoas e que a melhor maneira de se lidar com qualquer problema é enfrentando-o, nunca fugindo, encolhendo, evitando ou negando a sua existência.


Áries, simbolicamente, está associado ao impulso criador que contentemente atualiza nossa consciência e nos permite, com isso, vislumbrar o novo caminho a ser seguido em nossas vidas. É a vontade do ser manifestado - estrutura arquétipo primordial. É a representação do extremo impulso em direção à condição de semente, em direção ao extremo de realização - a sede de vida num corpo É o nascimento com o seu primeiro contato com o mundo. Contato quase sempre violento pela própria natureza do nascer.

Áries é o símbolo do fogo que cria, que impulsiona com atrevimento e força física. Impulso da força que leva sempre a abrir novos caminhos, sempre querendo ser o primeiro, tendo atitudes e comportamentos ousados e arrojados. É o símbolo do princípio, do início, do despertar. Áries é a expressão da força que rompe barreiras, de tudo que a natureza cria, inaugura, anuncia, desperta e faz viver.

POR 
Ângela Brainer
O símbolo de Áries está associado ao Mito do Carneiro de pêlo de ouro - Crissômalo , onde a vontade, o impulso para agir, o espírito empreendedor, o desejo de liderar por ser o melhor, estão presentes. Símbolo do que abre uma via, do caminho que leva à recuperação de algo anteriormente perdido. O símbolo de Áries está associado, também, ao Mito do herói, tendo em Jasão e nos Argonautas sua melhor expressão. É a representação do guerreiro, do que parte para o cumprimento de uma missão, do guerreiro que nada teme, que só se interessa em lutar com audácia e ser vitorioso. É a representação do herói, que luta bravamente, não admitindo derrotas, só tendo em mente a vitória. É a exaltação da coragem.

Áries é a compreensão do desejo, que é a vontade dirigida para a ação, para a iniciativa. É a liberação da energia dirigida para um determinado ponto no rumo de novas experiências. É a expressão da força que aguarda um movimento, que tem possibilidade de elevar-se. Áries é a consciência de agilidade para se lançar em busca do resgate do paraíso onde fomos expulsos. E, para a vitória, é necessário dar o melhor de si, correndo, voando, e nadando melhor do que qualquer outro.




A agilidade, a aventura e a coragem estão contidos no conceito do primeiro signo do Zodíaco, Áries, bem representado pela história dos argonautas e sua expedição ao jardim de Marte, em busca do tosão de ouro. O mito 

Nas terras de Iolco, o rei Éson foi destronado pelo próprio irmão, Pélias. Com a intenção de efetivar sua soberania, o novo rei manda matar o sobrinho Jasão, único que poderia clamar o trono quando fosse adulto. Convencido de que a fraca criança não sobreviveria por muito tempo, Pélias manda o garoto para o exílio, sob os cuidados do sábio
centauro Quirão.

Jasão sobrevive e é educado pelo centauro até completar vinte anos, quando parte para Iolco reclamar o trono que havia sido usurpado do pai. Trajando uma pele de pantera, o herdeiro se apresenta calçando apenas uma sandália, tendo perdido a outra quando atravessara um riacho. Pélias compreende de imediato o perigo, pois havia sido prevenido por um oráculo da ameaça de um estranho com um pé descalço. Assim, fingindo concordar com as exigências de Jasão, Pélias impõe uma tarefa, que julga ser a mais difícil de ser cumprida: conquistar o Velocino de Ouro em poder do rei Eetes e trazê-lo a Iolco.

O Velocino de Ouro era um tesouro inigualável. A preciosidade fora retirada de um carneiro dourado, que corria, nadava e voava melhor do que ninguém, oferecido por Mercúrio a Néfele, para que salvasse seu casal de filhos da ira da nova mulher do seu marido. Néfele coloca seus filhos Frixo e Hele no dorso do animal, que voa e desaparece com as crianças. Hele tem uma vertigem e tomba no mar, mas seu irmão sobrevive e ao chegar a salvo em Cólquida, sacrifica o animal a Júpiter e oferece sua pele ao soberano Eetes que o abriga. O tesouro foi então guardado no jardim de Marte e vigiado por um dragão que nunca fechava os olhos.

Mesmo sabendo da dificuldade de obter tamanha preciosidade, Jasão aceita o desafio e reúne um grupo de 50 homens, os mais corajosos que pôde encontrar, entre eles vários heróis e semideuses como Hércules, o músico Orfeu, os irmãos Castor e Pólux e o bravo Teseu. Para transportar o grupo, Jasão encomenda a maior e melhor embarcação que já havia sido construída na Grécia a um artesão de renome: Argos, cujo nome foi dado a nau. Estava assim constituído o grupo dos Argonautas, que parte em direção a Cólquida para conquistar o Velocino de Ouro e restituir o trono a Jasão.

Depois de diversas dificuldades no percurso, os Argonautas chegam à Cólquida e Jasão reclama a posse do Velocino de Ouro a Eetes, que concordou em ceder o objeto se o herói cumprisse duas provas de coragem: arar a terra com dois touros de narinas fumegantes e patas de bronze e semear os dentes do dragão do Cadmo, dos quais nasceriam uma leva de gigantes, que o herói deveria vencer, tudo isso num só dia.

A missão teria sido impossível de ser cumprida por qualquer mortal se não houvesse a interferência de Medéia, filha de Eetes, que se apaixonara perdidamente por Jasão. Convencida pelas promessas de eterno amor do jovem grego, Medéia resolve trair o pai e a pátria para ajudar o argonauta a vencer seu desafio. Ela usa seus poderes mágicos e torna o corpo do amado imune ao fogo e ao ferro, protegendo-o contra as chamas e as patas dos touros. Ainda agindo de acordo com as indicações de Medéia, Jasão observa os gigantes nascerem da terra e joga entre eles uma pedra, fazendo com que exterminassem uns aos outros.

Eetes, surpreso com o sucesso de Jasão, não cumpre a promessa de ceder o Velocino de Ouro e pretende matar os argonautas e destruir a Argo. Medéia novamente interfere, previne o amado e o ajuda a roubar o tesouro fazendo com que o dragão vigilante adormecesse sob o seu encanto e se tornasse presa fácil para a lança de Jasão.

De posse do Tosão de Outro, os Argonautas e Medéia fogem na Argo e levam Absirto, outro filho de Eetes como refém. O rei, ao perceber que havia sido enganado, envia seus soldados ao encalço dos fugitivos para recuperar o Velocino e trazer de volta a filha traidora. Medéia, disposta a tudo pelo amado, usa uma artimanha cruel para retardar os perseguidores: mata o próprio irmão, esquarteja seu corpo e joga seus pedaços ao mar. Os guerreiros param então a perseguição para recuperar os restos mortais do filho do rei e sepultá-lo, deixando os Argonautas escaparem rumo a Iolco. Em honra ao feito de Jasão, o carneiro da lã de ouro foi transformado na constelação de Áries.
Marte representa, em sua psique, a energia que você coloca em tudo e a força que usa para abrir os seus próprios caminhos. No Mapa, ele indicará o setor da sua vida onde mais se concentrará essa força, onde deverá lutar e enfrentar os desafios com coragem, pois apesar dos "ferimentos" que geralmente acontecem, as conquistas também certamente virão. 

Quando você usa da melhor maneira essa sua capacidade de lutar pelas coisas que quer, desperta a sua verdadeira força, a energia mais qualificada, a vontade mais consciente e melhor dirigida para a conquista de suas mais importantes batalhas. 

Quando abre mão disso, pode despertar o pior que há em você, respondendo às situações da vida com violência, agressividade, rudeza e, às vezes, ficando sem a energia necessária para realizar até as pequenas coisas. 

É importante sempre lembrar que Marte, regente do signo de Áries, na Mitologia, é o deus da guerra e que mesmo não saindo vencedor em todas as situações, não devemos perder de vista o Herói e o Guerreiro que existe dentro de cada um de nós. 

segunda-feira, 19 de abril de 2010

O mundo não para de girar...

O mundo gira, gira e...
Aqui estamos nos de novo (risos), a vida nos prega peças e acaba nos mostrando coisas que em certo momento não víamos ou fazíamos questão de não ver.
Hora amamos, hora queremos estar juntos, hora precisamos perder nossos medos e seguir em frente (ou pelo menos tentar) e quando você decide seguir e arriscar um novo caminho o mundo gira, você cai.  E lá esta a frustração, ali esta ela estagnada, mas ao mesmo tempo pronta para te dar um abraço frio e duradouro.
Sempre esperamos isso ou aquilo de alguém e nos frustramos por algo desnecessário (na verdade nos frustramos por que somos humanos) por que imaginar que podemos montar um modelo perfeito do ser amado para termos do nosso lado? Isso não existe, pelo menos não depois de dois meses de relacionamento.

Isso é humanamente incorreto.
Seria bem mais fácil relaxar e curtir um momento, mas não...
Sempre buscamos/queremos algo diferente, a nossa cabeça cria e faz ser impossível (é que parece ser mais gostoso aquilo que não temos ou o que tivemos/passado).
Claro que devemos levar em consideração os nossos desejos, anseios, mas temos que fazer a regra dos nove antes de aprofundarmos mar adentro em um relacionamento, um relacionamento que pode não dar certo.
Por isso pesquise, reconheça o território antes de montar acampamento. Pergunte, questione e descubra todos os traumas, fissuras e quartos escuros que no amanhã farão toda a diferença.
Primeiro que você não perdera o seu tempo tão valioso com alguém que talvez não satisfaça os teus desejos mais loucos...

Ok, falamos de você, de nos, mas já se perguntou o que ele (a outra parte) pensa, deseja, faz...?
Egoísmo não deve fazer parte e nem singularidade, por isso questione e deixe-se ser questionado.

Fazer esse interrogatório é o será feio ou agressivo de sua parte?
Será sim, se você não o fizer logo.
O mundo gira e quando você "se notar" estará frustrado ou frustrando alguém.

domingo, 18 de abril de 2010

Desacorrentadas

O amor liberta? De certa forma, sim. Amar faz você desprender-se da razão, incorporar novos hábitos, expandir seus sentimentos, invadir recantos da sua alma nunca antes explorados. De fato, é bem poético e libertador amar.
Mas tem seus contratempos, lógico. A convivência entre duas pessoas nem sempre é um mar de calmaria, muitas concessões necessitam ser feitas, ou seja, alma gêmea não existe, é conversa pra boi dormir. Ainda assim, é melhor estar amando do que não estar amando. Ao menos até uma determinada idade.
Circulam por aí reportagens que enaltecem o amor aos 70, 80 anos, dizendo que nunca devemos encerrar as buscas, que o amor merece ser encontrado em qualquer etapa da vida. Merece, mas tenho ressalvas a fazer.
Se você alcançou uma certa longevidade e tem um parceiro bacana, mantenha-o, claro. Mas se você está sozinha da silva, já teve vários bons romances na vida e está em paz com a sua solidão, vai procurar sarna pra se coçar a troco de quê?
Há duas mulheres famosas na faixa dos 60 anos que, depois de amarem muito, já manifestaram publicamente a sua desistência em seguir procurando companhia (ainda que eu intua que esse desprendimento ainda vai lhes proporcionar novas surpresas amorosas). Mas, enfim, são mulheres inteligentes e bem resolvidas, e essa postura de "largar de mão" me inspirou: pretendo seguir a mesma cartilha. Não que eu colecione desilusões, pelo contrário. Não tenho do que me queixar. Já vivi o lado zen e o lado tsunâmico do amor, e o saldo é de puro prazer e gratidão. Sou totalmente pró-amor, nem penso em aposentadoria agora. Mas o agora vai se transformar em depois, e depois é outra história.


Estou sem a menor pressa de que o tempo passe, mas vai passar e, quando eu chegar aos meus 60 e tantos, bem saudável, independente e mantendo o espírito da juventude (estão rindo do quê?), pretendo curtir a vida mais do que já curto hoje. E não haverá problema em estar sozinha, caso estiver. Quem tem amigos não se aperta. Ainda mais quando são amigos de diversas áreas, diversas idades, gente com a cabeça aberta, o humor tinindo, bem informados - existe turma melhor? Depois de uma noitada regada a ótimas conversas, você pega sua bolsa e volta pra casa, pega seu livro, se esparrama na cama e dorme até a hora que quiser, se for final de semana - e se não for, também.


Além de amigos, ter algum dinheiro é importante, lamento tocar nesse assunto desagradável. É ele que possibilitará que você viaje, vá a shows, receba gente querida em casa, se presenteie com pequenos mimos. Sim, você pode fazer tudo isso com um parceiro ao lado, mas não na hora que você bem entender e sem dar satisfações. Tudo terá que ser negociado. E será preciso abrir espaço na agenda para os amigos dele, a família dele, as carências dele, as doenças dele, as galinhagens dele. Será que, maduríssima da silva, terei tempo e paciência para me dedicar tanto assim à manutençao de uma relação nova? Sem falar em continuar tendo que se preocupar com o próprio corpo, com as artimanhas da sedução, com o sexo. Ai, o sexo... Sentirei saudades.


Poético e libertador é pensar que nunca estarei sem ninguém, porque chega uma hora em que a gente decide que é alguém, e basta.
Autoria: Martha Medeiros
Fonte Jornal O Globo 23/08/09

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Pré-fixando verdadeiramente tudo

Olho a verdade com uma visão de entusiasmo
Não vejo sentido em nada, fixo-me
No que segue paralelamente.


Olho nos meus rabiscos como quem busca,
Uma resposta, mas a verdade me cega
Não vejo nada de ontem nessa estrada nova, ampla...


Saiu em busca no desconhecido e não olho para trás
Quero tirar essas roupas, esse cheiro e me renovar
Sentir-me limpo de corpo e alma.


Poder ouvir, ver e sentir a verdade
Fixar-me no meu desejo
E seguir em paralelo.


Rabiscar uma nova história
Não buscar todas as respostas,
Mas sim tentar sair em busca de novos questionamentos.


A minha verdade é ser, ver, sentir
Verdadeiramente tudo o que o mundo me trouxer de melhor/pior.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Yours

By Dan Black

Now you know I know, head in a hole
By saying nothin' you take control.
Passive aggressive, a daily routine,
now you pollute, even my dreams

You've got some nerve (you've got some nerve)
to stand and say (to stand and say)
oh, it's all (all) just (just) fine.
you've got some nerve (you've got some nerve)
to stand and say (to stand and say)
why you havin' (havin) a good (a good) time?

I don't wanna be yours no more
Not yours no more
Don't wanna be this where I just exist
Can I have a little bit
I don't wanna be yours no more
Not yours no more
Don't wanna be this where I just exist
Can I have a little bit more

Well you know I know who stole my soul,
Threw it in a bag into a hole.
Passive aggressive, a daily routine,
Now you pollute, even my dreams.

You've got some nerve (you've got some nerve)
to stand and say (to stand and say)
oh, it's all (all) just (just) fine.
You've got some nerve (you've got some nerve)
to stand and say (to stand and say)
why you havin' (havin) a good (a good) time?

I don't wanna be yours no more
Not yours no more
Don't wanna be this where I just exist
Can I have a little bit
I don't wanna be yours no more
Not yours no more
Don't wanna be this where I just exist
Can I have a little bit more

it goes round round round round round round round,
it goes round round round round round round round
it goes round and round and round and round and round and round it It goes round ouuuw

Well you know I know, head in a hole,
by saying nothing, you take control.
Passive aggressive, a daily routine,
Now you pollute, even my dreams.

I don't wanna be yours no more
Not yours no more
Don't wanna be this where I just exist
Can I have a little bit
I don't wanna be yours no more
Not yours no more
Don't wanna be this where I just exist
Can I have a little bit more

Not yours no more
Not yours no more
Not yours no more
Not yours no more
Not yours no more
Not yours no more
Not yours no more ... Aaaah

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Quero tudo ao mesmo tempo



Há cinco meses, ou melhor: cinco meses e dez dias que o novo ciclo se iniciou e com isso muitas coisas estão acontecendo na minha vida, coisas que até então estavam desacreditadas, que não me eram permitidas - e pior: por mim mesmo!
Sim, eu sei da responsabilidade que eu tenho sobre meus atos e o que isso me trouxe como resultado. Se me arrependo de algo?
Digamos que arrependimento é uma palavra muito forte, na verdade tenho comigo que tudo na vida deve ser encarado como uma superação diária e que com isso aproveitei tudo do meu jeito e no meu momento. Tudo no seu devido tempo (essa frase deve ser encarada com toda a sua plenitude)...
Viver não tem preço e melhor ainda quando você desfruta tudo com uma sensação imensa de segurança. É assim que me sinto: seguro do que eu quero, do que eu desejo e principalmente o que eu não quero e não desejo pra minha vida.

Ok, mas é preciso admitir que as vezes sinto falta de alguns momentos, quietações e de coisas que até ontem faziam/fazem parte do Novo/Velho Marcos Moraes.

Bom, ai vai uma linha de raciocino: Segue o teu curso carneirinho, tudo no seu devido segundo, minuto e aprenda a caminhar por novos rumos sem perder a tua personalidade, sem querer ser alguém que na verdade não existe e se isso acontecer que aconteça naturalmente, mas não por simples capricho ou vaidade. Por você e pra você!

Sigo saindo, vivendo, me divertindo, mas ainda gosto de ficar quietinho no meu canto curtindo a minha tão amada preguicinha!

Boa Semana!

sábado, 10 de abril de 2010

Chove Chuva... Chove sem parar...

Muita chuva, chove sem parar...
Oh! Parou, abriu um sol lindo!

Não, não...
Me equivoquei, esta chovendo de novo.

O que esta acontecendo com esse clima, agora esta esfriando.
Agora já esquentou um pouco, mas pelo jeito irá chover mais tarde.

Que tempo doido, maluquinho de pedra!
Na verdade somos tudo isso, parte de tudo isso.
A natureza reflete nitidamente o que ela sente - sente logo reflete.

Andamos assim, o ano mal começou e já estamos todos exaustos, mortos e contando os dias para o próximo feriado - me diz que não é verdade?

Inversões, transformações,  mutações, transmutações, ação... sol, chuva, temporal, frio e calor!
Ufa! Tudo isso afirma que estamos todos ligados a algo maior...

Os quatro elementos da natureza, terra, água, ar e fogo, constituem as quatro grandes portas do templo, ou do inconsciente humano.

Tudo que existe neste mundo só existe pela combinação, pelo arranjo destes elementos básicos.
O corpo humano é um exemplo vivo disto: a terra é representada pela ossatura, pelos músculos, emfim por toda a massa física de que é feito nosso corpo. A água se vê representada em todos os nossos humores, incluindo aí o sangue e a linfa. À semelhança do planeta, dois terços do organismo humano é água. O ar vital para todos é o elemento da respiração e o que nos liga a todo o resto do universo. O fogo presente na digestão é quem transforma o alimento que ingerimos em ação e movimento.

Ok, meio nojento isso, mas "isso" somos nos!
Vida, viva!

Bom domingo a todos!

sábado, 3 de abril de 2010

Incondicionalmente sem explicação!

Reunir pessoas que amamos, pessoas que fazem do nosso dia a dia algo valioso e histórico é algo singular, algo que não tem um valor simbólico, mas sim um grande apelo sentimental - algo que ninguém nos tirará, ainda mais quando essa tal "reunião especial" é bem no dia que comemoramos o nosso nascimento.

Fazia tempo que eu não via tantas manifestações de carinho e afeição para comigo e isso me fez tão bem, me revigorou. Como se pegassem o meu coração e acariciassem ele, um efeito comunitário, todos juntos - algo inexplicável.
Amigos (mais que simples colegas de trabalho), mais do que irmãos (que não são de sangue - o que isso importa?) e amigos que não eram tão amigos, mas que não consigo imaginar não ter eles no futuro que insiste em atormentar a minha cabeça.

Mães que não são mães, mas que mesmo assim são livres para me surpreender com ensinamentos diários, surpresas, mimos, puxões de orelha e um carinho que só elas sabem fazer (ninguém mais - ninguém mesmo). Mães seres que simplesmente não conseguimos decifrar! Sabe quando você pensa que nada mais te surpreenderá? A vida te abraça como se quisesse te dizer que tudo é possível sim e que o amor é incondicional.

Segundo o site da psicóloga e numeróloga Ingrid Dalila Engel essa seria a definição para o Amor Incondicional:


É o caminhar na vida levando compaixão, compreensão, perdão, tolerância, desapego... dar valor ao que realmente tem valor, é não ficar preso a palavras, gestos, fatos, eventos, situações emocionais; é relevar com compaixão as mágoas, as injustiças, as decepções vividas no nosso cotidiano... é compreender que tudo isto é muito pequeno comparado com a grandeza da alma, com a grandeza da vida. É caminharmos fazendo a nossa parte, amando ao próximo como a nós mesmos, entregando a Deus, à vida, todas as situações conflitantes, dolorosas, que momentaneamente possamos estar incapacitados para darmos a melhor solução, a resposta mais adequada.


Então nesse ano que iniciou agora, hoje eu desejo ter o dom de amar incondicionalmente!
Aprendi que não devemos agradecer quando recebemos algo de coração, mas mesmo assim é IMPOSSÍVEL não dizer:
MUITO OBRIGADO A TODOS QUE DE UMA FORA OU OUTRA ESTIVERAM COMIGO NO MEU ANIVERSÁRIO!