quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Te quero: Realista e perspicaz

Hoje estou afim de te provocar, de colocar a prova o que você diz sentir por essa pessoa visivelmente escondida entre palavras. Quero/preciso saber o que você realmente preza por mim, por que às vezes dizemos e fazemos coisas que não vem do coração – elas apenas escapam “boca a fora” e assim como vieram elas se perdem por estradas sem sentido. Essas tais “palavras sem sentido” seguem um caminho tortuoso até o meu entendimento e sem querer acabo por entender que por você eu sou (Sou?) amado.

Amor! 
Tal palavra com um sentido único, isto é: totalmente unilateral, o amor verdadeiro te faz cego, te faz indiferente diante das diferenças mais relevantes, porque você ama ou você não preza nenhum sentimento, nada, vazio, oco... Até para odiar alguém você precisara sentir algo (um sentimento completa/anula o outro).

Sim, esse post parece mais um trecho de Tomates Verdes Fritos, mas não. Ele é sim um pedido para uma conquista, algo novo/verdadeiro, simples e espontâneo. Preciso saber se você realmente se arriscaria por mim, preciso saber se o nosso/seu amor/sentimento é verdadeiramente incondicional... Será?

Me diz, se eu brigar com você tendo você razão ou não, você deixara de me amar? Se eu quebrar frasco do perfume mais caro, aquele que você mais gosta você deixara de me amar?
Se eu me atrasar para o nosso encontro semanal, se eu desmarcar ou pior: se eu esquecer, você deixara de me amar? Se eu esquecer o teu aniversário, se eu se quer lembrar que você faz aniversário, você e amara? Se eu começar a mentir, se eu omitir certas coisas ou se eu simplesmente não mais te contar os detalhes mais sórdidos da minha vida - você deixara de me amar? Se eu simplesmente não te ligar, não te procurar, gritar com você sem motivo, se eu só reclamar, se eu mandar você embora, se eu não atender o celular, se eu não responder os teus emails/sms’s, se eu virar um corrupto, se eu roubar bala de criancinhas na rua, se eu te der um abraço sem entusiasmo, se eu deixar de gostar do vermelho e assumir o azul como cor da minha bandeira? Se eu for filho do Bin Laden, se eu não tiver pais ou quem sabe for um extraterrestre! Se eu engordar, se eu emagrecer ou deixar de comer carne vermelha...

Se eu não te amar mais ou se eu te jurar um amor infinito?
Você me amaria, ligaria, me mandaria um cartão no natal?

Chegamos a uma fase da vida que precisamos de certezas ou “sem querer” deixamos o espaço livre para as incógnitas da vida nos corroer.  Sei que não precisamos ou devemos querer ter a certeza sobre tudo e todos, mas é tão bom ter os pés/mãos/pernas/bocas/braços/sentimentos firmes...

Ah! Você não faz idéia o quanto isso te faz realista e perspicaz em relação ao teu próximo.

Vem logo e me diz o que você sente!


Ótima sexta e um excelente final de semana! 

Um comentário:

Fabiana disse...

adorei meu amigo cada dia vc se supera. te adoro muito viu? Fabi