terça-feira, 26 de julho de 2011

Uncharted

Saí sem rumo, sem expectativas eu fui desviando entre uma e outra pessoa nessa multidão que se tornou os meus dias - dias esses que se faziam pequenos e insignificantes na tua ausência, mas que hoje (ainda pequenos) são mais intensos ao saber o que você realmente deseja.

Agora estamos aqui...
Olhos nos olhos e eu te pergunto: o que você quer?!

O que você quer, do que você realmente tem vontade de dizer com os olhos quando acorda? Será aquele "bom dia" com voz de quem acordou que esta engasgado ou aquele beijo às 7hs. da manhã sem mesmo ter escovado os dentes... Sem nojo, mas sim a mais pura prova de carinho e que traz consigo um gostinho quente da paixão.

Me diz o que você quer...
Assim sem pensar!

Me diz que você quer correr na hora do almoço para ouvir a minha voz no telefone ou para me surpreender numa mesa de restaurante com a tua presença desavisada.. Me deixa sentir que você quer me roubar um beijo ou também pode dizer no silêncio de uma piscadela que me ama, que não vê a hora de chegar em casa para ficarmos juntos.

Ah, o que eu quero?!
(uma pausa em risos)

Eu quero o desconhecido, quero ser surpreendido todos os dias, quero renascer todos os dias e morrer todos os dias ao teu lado - mesmo que isso me custe uma vida inteira/ou um terço dela. Quero ser cuidado ao mesmo tempo em que eu zelo o teu sono e mesmo assim me sentir/sentindo teu na minha/tua vida.

Quero aquela tão sonhada singularidade plurificada...
Quero tanto e ao mesmo tempo o mais simples...
Quero o teu melhor somando no atual melhor de mim!

A paixão já me corroeu e por isso, hoje eu só quero amar descontroladamente!



Sara Bareilles

Uncharted

Nenhum comentário: