segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Fechando portas

Não penso...
Não vejo e logo não sinto!

Não procuro, não pesquiso sobre e nem me interesso por "aleatórios" - pura hipocrisia.
Semanas se passam e minha cabeça começa a erguer-se quase que lentamente, tudo é muito sútil/tudo já não se faz assim tão presente.

Não penso, não vejo e nem sinto mais...
(um pouco menos intolerante)

Já começo a andar sem olhar para os cantos da cidade em busca de respostas, já consigo respirar outros ares... Respiro tranquilo, quase que ressonando...

Nem lembro, nem sei mais sobre o que estamos falando aqui!

(alguns dias depois)

Começa tudo de novo!

Você vem até mim e logo fico confuso! - me irrito
Já começo a pensar...

Não te procuro, não quero saber de você e quando estou bem e renovado (me renovando) como que num furacão você surge diante de mim com as tuas histórias, com uma voz macia em tom de paz (hipocrisia? - "quer conversar vai na Hebe").

Odeio não ter respostas ou não ter a devida coragem para colocar em prática as minhas reais interrogações em pauta - deveras eu não quisesse adentrar nessa viajem novamente.

Ontem ouvi: "As pessoas tem a importância que damos a elas" - #bemverdade.

E assim que tem que ser...
Não quero me deixar levar por essas teias de inverdades entre imaturidades.

Assim que der podemos marcar algo...?
(pausa e um desvio de olhares)
Então era isso?!
Preciso terminar algumas coisas por aqui,
acho que tu percebeste que o meu telefone não para...
Estou cheio de trabalho!
(pausa entre risos extremamente amarelos)
Então até!

Em silêncio eu respondo:
Ah, com licença... Preciso fechar a porta...

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Continuo mudando


Minha cabeça precisa entender quem é você antes que o meu coração te abrace com toda a força do mundo. Preciso aprender a lidar com o todas essas informações vindas assim quase que perdidas entre direções tortas e desencontradas - logo você que se faz/se diz assim tão "o tal"...


Abra-se para o que te faz feliz e realizado ou o realizante - isso depende muito da situação.

Eu desisti de ser um simples "alguém" ou de esperar o momento certo para a tal metamorfose - quando na real eu já descrevi aqui vários momentos do renascimento desse novo @marcos (admito que às vezes re-encontro o antigo aqui por dentro), mas ainda quero mais!

Preciso sempre estar em busca do que eu ainda desconheço ou do que se faz silenciosamente perfeito quando na verdade por debaixo de uma "perfeição superficial" há muito trabalho à ser feito! 

Me Permitindo
Sinto que cada vez mais eu me permito gritar e ouvir mais... Se gosto gosto e se não gosto já exponho a minha opinião sem medos ou receios. Também aprendi a ouvir mais, me deixar ser avaliado sem temer ser corrigido - isso é mito difícil para um ariano.


Vamos continuar mudando...

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Sigo falando: De verdade...

As tuas verdades se perdem no primeiro toque... Não sou assim "tão" vulnerável como antes, apenas quero que o teu surreal encontre o meu racional e que juntos eles possam formar algo nunca visto antes - um MIX de verdades entre abraços suados e sem sentidos pré-estabelecidos.

Peço-te mais, bem mais do que algumas ligações, encontros ocasionais/combinados e desencontrados - eu quero mais... Mereço mais!

Sou um ariano que age em movimentos bruscos que por trás-traz uma delicadeza e a beleza de ser quem é de #verdade.

Verdade!
De verdade?

Ah... Como eu admiro você!